domingo, 10 de maio de 2009

Tudo

Outra poesia antiga:
***

A poeira que esse vento traz
Atrapalha minha visão.
Os passos já não firmes
Oscilam entre um pisar e outro,
Areia movediça ao meu redor.
Não há auxílio para uma alma cansada.

O sangue de meu coração escorre, transborda.
Essa lama me aprisiona.
Nem sei pra onde ir ou se devo mesmo ir.
Cansei de procurar por socorro,
Deixei a solidão se aliar a mim.

Sair dessa areia movediça,
Fugir desse lugar,
Correr sem rastro,
Apagar a luz,
Calar o vento.

Sei o que devo fazer.

E tudo que queria era alguém para amar...

4 comentários:

dablog disse...

Amar é fundamentalmente necessário...

Äмbзr Gïrℓ ⅞ disse...

tocante, belo, como asas de borboletas...

talento e técnica...

Blog Suicide Virgin

Alerkina disse...

Lindo!!!!
Ao mesmo tempo que é trágico,
pois o problema não é só amar ou lidar com a solidão...
O problema é querer amar e não suportar a idéia de ficar só...
Posso dizer que eu me identifiquei muito com estes versos...
Achei lindo, lindo mesmo.

Ana disse...

Sei dizer a data cravada de quando me senti exatamente assim: 13 de outubro de 2007.