terça-feira, 22 de setembro de 2009

E Eu Ainda Estou Aqui

Sou uma criança perdida na multidão
Fui deixada na rua, em meio a tempestade
Lágrimas se confundem com gotas de chuva
Me vejo encharcada pela solidão

Carros passam pelas ruas
E eu ainda estou aqui
No meio do temporal

Dias e noites passam, as estações mudam,
Pessoas envelhecem, pessoas nascem
E eu ainda estou aqui

Náufraga em mim
Náufraga de mim...

Olho para o céu,
Deixo a chuva me lavar, me invadir
Perdida entre lágrimas e gotas, estendo minhas mãos
Esperando pelo meu abrigo...
Esperando pelo sol...
Esperando...
Esperando a chuva parar...

7 comentários:

Carlos Felipe Figueiras disse...

Muito bonito.

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

E essa chuva lava a alma...

Podemos trocar banner, sim. Temos um blog de selos, se você quiser, podemos fazer um post.

Beijo grande, menina linda.

Rebeca

-

Alerkina disse...

CARAMBA!!!!vou te dizer uma coisa:
sinceramente se vc não fosse mulher, quero dizer, se vc fosse um homem, eu te pediria em casamento!!!
rsrsrsrsrs
Mas uma vez eu te digo:
O poema está lindo, é perfeito!!
mas vc vai ver, um dia ele vai aparecer na sua vida e td este absurdo irá fazer sentido...
t+

dablog disse...

O bom disso tudo é que a chuva SEMPRE para. Lindo!

dablog disse...

Uma pergunta: quem é o "eu" no poema? Uma criança de rua?

→єdsøи← disse...

Nossa, achei mto lindo...
Depois da uma olhadinha no meu blog tb, o devaneios1000
bj

Rosele disse...

Hughes,
O "eu" no poema se refere a mim mesma e alguns sentimentos que tinha.