terça-feira, 24 de maio de 2011

Memória Afetiva

Às vezes me espanto com o jeito que as memórias esquecidas voltam a aparecer...
Estava eu voltando pra casa depois de um dia super cansativo quando vejo uma cena que me chamou a atenção...
Um pai sentado no banco do metrô com sua filha de uns seis anos aninhada em seu colo enquanto lia seu gibi.
Não conseguia parar de olhar, pois presenciava um momento de imensa ternura...

Em fração de segundos me lembrei de meu pai e de alguns momentos de minha infância.

Lembrei que eu costumava chegar da escola, tomava meu banho, jantava, colocava minha chupeta na boca e corria pro colo dele. Lembrei do quanto eu adorava ficar aninhada em seu colo murmurando uma canção até adormecer...

Que saudade que me deu!

Que saudade me deu daquele tempo em que todos os problemas eram resolvidos assim: no colo do meu papai!
Que saudade me deu do aconchego diário da infância!
Que saudade me deu daquela certeza de proteção e defesa que eu sentia...

Comecei a chorar no metrô. Não deu pra segurar...Vim chorando pra casa e a primeira coisa que fiz ao chegar foi ligar pra ele...

A gente cresce. Sai de casa. Forma a própria família. Mas no fundo a gente vai ser sempre criança. Criança procurando por proteção e aconchego.

Hoje vou dormir feliz! Meu coração ficou inundado de ternura!


Parafraseando uma frase dos Simpsons: "No little girl can be happy without her daddy..."

3 comentários:

Carlos Felipe Figueiras disse...

Minha manteiguinha. :)
Agora tem o meu colo.

Rosele disse...

E um dia nossos filhos o terão também! O colo do papai e o colo do vovô! :)

Rosa Chiclete disse...

oun, adorei teu post!