domingo, 5 de abril de 2009

Leia-me

Quisera eu que pudesses ler
Meus olhos, minha mente.
Sou um mistério,
Sou uma ostra,
E a pérola você não consegue descobrir.
Sou um mundo infinito.
Tenho o tudo no peito.
Tudo explode e você não vê
Os milhares de medos e mistérios que habitam aqui.
Sou vários personagens num mesmo papel.

Leia-me.

Leia-me com a alma e saberás de mim como eu mesma não sei.
E sempre haverás que ler mais um pouco.

3 comentários:

Äмbзr Gïrℓ ⅞ disse...

http://img509.imageshack.us/img509/3818/cdlhcd1238364313.gif

aqui está o novo link.

Sua poesia está muito bela, amei as metáforas do eu, em busca de noss a propria compreensão. Muito romantismo também. Parabéns. até o próximo post!!!!!

dablog disse...

Se superando hein? Como dizemos em inglês, nós somos um "open book"!

Iarinha disse...

Lindo o seu espaço.
Perfeito o seu poema ,
parece que me descreveu em cada detalhe . Em cada papel que enceno , na multidão e no vão dentro de mim. E ainda sim sem saber ao certo o que me toma ; o que me faz. Parabéns!Me sinto tão bem nesses espaços e em encontrar alguém que possa ler o que escrevo e me entender :D